Chega de boatos é oficial: Khill Ex Patchanka agora é Chiclete

Depois de muitas especulações, agora sim é oficial. O Ex-vocalista da Patchanka, banda cover do Chiclete com Banana, o cantor Khill foi confirmado neste sábado (13) como novo vocalista do grupo Chiclete com Banana, banda que foi comandada por muitos anos por Bell Marques e desde que Bell Marques deixou a banda, após o Carnaval de 2014, a Chiclete com Banana nunca mais foi a mesma.

Quem substituiu o posto deixado pelo veterano foi o jovem Rafa Chaves, mas em 4 anos não conseguiu levantar a banda, deixando a desejar os fãs seguidores conhecidos como chicleteiros, o que causou um abandono dos foliões nos shows e no carnaval.

Desde outubro de 2017, vem circulando boatos de que Khill assumiria o vocal da banda, mas nada tinha sido confirmado. Mas agora sim tornou oficial, a banda tentará mais uma vez voltar a respirar dentro do cenário musical baiano. Praticamente sem fazer shows, o grupo que já foi um dos maiores da Bahia, irá trocar novamente de cantor após 4 anos sendo comandada por Rafa Chaves, que raramente aparecia, deverá deixar a banda e quem assumirá é Khill, que desde a época da saída de Bell foi um dos mais apontados para assumir a banda.

Agora sem bandana, mas com vocais ainda para lá de semelhantes com o original, Khill será a tentativa de reaproximar os chicleteiros, órfãos desde a separação da família Marques. E sua estréia pode ser ainda no carnaval deste ano.

Trajetória de Kill
Kill iniciou a carreira ainda muito novo, com apenas 16 anos. E foi nessa época que ele e um grupo de amigos formou a banda ‘Banana Maça’. Nada profissional. Eles tocavam apenas em barzinhos da cidade de Jequié, interior da Bahia. Mas foi em 2002, durante uma apresentação em uma micareta, que Khill (voz e violão), Val (bateria), Ricardo (baixo), Luisinho (teclados), Duré e Emanuel (percussão) chamaram atenção de alguns empresários de Salvador.

“Eles gostaram do nosso trabalho e nos convidaram para iniciar a carreira artística em Salvador. Aceitamos na hora”, lembra Kill, explicando que o primeiro passo da banda foi mudar de nome do grupo. “Na época, nosso empresário dizia que o nome ‘Banana Maçã’ parecia muito com a ideia de ‘Chiclete com Banana’ e resolveu mudar. Patchanka foi o título sugerido. É uma gíria francesa que significa muvuca, festa. No início a gente achou um pouco estranho, mas depois vimos que tinha tudo a ver com a gente”, conta o artista.

E foi nesse mesmo ano que o grupo ganhou destaque na mídia. Eles se apresentaram pela primeira vez no Carnaval de Salvador, no circuito Barra – Ondina, momento único, de acordo com o artista. “Este carnaval ficou marcado, pois neste ano ganhamos dois prêmios no ‘Troféu Dodô e Osmar’: como banda revelação e cantor revelação”, relembra o baiano. E teve mais: a Patchanka gravou o primeiro CD de carreira, ao vivo, durante um micareta de feira de Santana. Sucessos como ‘Te Amar é Preciso’ – (Peixinho), ‘Pistoleira’,’Nega’, Te Querer’, ‘Se As Paredes Falassem’, ‘Tribo Patchanka’, ‘Procurando O Ninho’ e ‘Prove do meu Love’ fizeram parte da trajetória de sucesso do grupo.

O sucesso
Quem não se lembra do HIT ‘Te Amar é Preciso’, mais conhecida como ‘Peixinho’? O sucesso da banda Patchanka reproduzido até hoje por diversos artistas em todo o país virou febre nacional eternizada na voz de Cristiano Santos. Conhecido como Khill, o vocalista do grupo em 2002 foi o artista mais comparado com o líder da nação ‘chicleteira’ nos últimos tempos.Para quem não se lembra, o cantor fez o maior sucesso no comando da banda nascida em Jequié.

Patchanka x Chiclete com Banana
Além de composições próprias, a banda Patchanka também fazia uma espécie de cover do grupo Chiclete Com Banana, título que ajudou a banda a ser conhecida em todo o Brasil. Mas isso, de certa forma, incomodava os seguidores da banda baiana.”Na época, tinha uma rejeição dos fãs do Chiclete, mas nunca tive intenção de fazer nada parecido com a turma de Bell Marques”, afirma. “Mas, inevitavelmente, minha voz é muito parecida com a dele”, explica Khill.

Depois da fama
Apesar da fama, Khill decidiu não se envolver mais com a música em 2008. De acordo com o cantor, ele queria experimentar novos projetos que há muito tempo pensava em fazer. “Cheguei numa fase onde queria deletar a música da minha vida. Mas o engraçado é que tomei essa decisão no melhor momento da minha carreira. Sentia que precisava me reciclar. Esse período me proporcionou um amadurecimento”, disse o cantor que afirmou não ter tido nenhum desentendimento com o grupo. “Não teve briga. Apenas estava cansado de fazer a mesma coisa sempre.Tinha um projeto bem antes de me tornar artista, que era abrir um posto de gasolina, mas não deu certo. Foi aí que decidi mudar radicalmente de ramo, juntar alguns investimentos e fazer uma panificadora. Foi um negócio muito bom”, conta orgulhoso.

Mas o que o artista/empresário não sabia era que a relação entre ele e a música não terminaria ali. Cinco anos depois, mais maduro e decidido, Khill, já aos 35 anos, retornou aos palcos junto com a Patchanka em 2013, e agora em 2018, Khill assumirá a responsabilidade de comandar a banda Chiclete com Banana.

Deixe uma resposta